terça-feira, 1 de agosto de 2017

a lavadeira























a mulher com o olhar nocturno, há quase um mês que passa os dias nas pedras lodosas da rampa da doca, lodo como o brilho dos seus olhos, lodo como o peso da inércia nos seus ombros. era a ela que ela lavava, naquele esforço de esfregar a manta nas pedras. repetia os gestos vezes e vezes sem conta. passava sabão, enrouquecia-se no som de sovar os panos no chão, gretavam-se-lhe os dedos naquela repetição. era a ela que ela lavava, como se quisesse que aquela maré vazante levasse memórias que recusava ter. neste dia ao contrário, em que o rubor do pôr-do-sol se mostra a nascente, e eu procuro-me nos passos que dou à beira-rio, olho para a mulher que só se vai quando a noite lhe esconder o destino, e encontro-me nela, por dentro. 








14 comentários:

  1. Respostas
    1. oh...Luísa, muito obrigada.
      tem uma noite boa :)

      Eliminar
  2. Certos pesos nunca saem, por mais que se esfregue e lave.
    Adoro cada palavra que escreves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sabes, eu acho que saem.
      obrigada, Just :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. nada disso, Miguel, mesmo nada.
      obrigada :)

      Eliminar
  4. ...não será a noite feiticeira do nosso interior?!
    Beijo bom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o nosso interior entrega-se à noite.
      dia bom, Goti :)

      Eliminar
  5. a lavadeira poeta, tem palavras que cheguem para lavar este e outro mundo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A lavadeira só sova a roupa
      Ressuscitastse...

      Eliminar
    2. se estiveres por cá nos próximos dias, vais ter de levar comigo...

      Eliminar
    3. Um mês contigo, cigano... :)

      Eliminar