quarta-feira, 28 de setembro de 2016

permita-me











‘Espinosa volta-se e fala com toda a calma, à semelhança de um professor perante um aluno jovem: - Diga-me, Jacob, acredita que Deus é todo-poderoso?
Jacob anui.
- Que Deus é perfeito? Completo perante Si mesmo?
Novamente, Jacob concorda.
- Então, seguramente, concordará que, por definição, um ser perfeito e completo não possui quaisquer necessidades, não tem carências, nem quereres, nem desejos. Não será assim?
Jacob pensa, hesita, e depois anui cautelosamente. Espinosa repara no esboçar de um sorriso nos lábios de Franco.
- Nesse caso, - continua Espinosa, - eu defendo que Deus não tem quaisquer desejos acerca do modo como, nem mesmo se, O glorificamos. Então, Jacob, permita-me amar Deus à minha maneira.

Os olhos de Franco ficaram esbugalhados. Volta-se para Jacob, como se lhe fosse dizer: - Estás a ver? É este o homem que eu procurava.


'O problema Espinosa' de Irving D. Yalom