domingo, 17 de setembro de 2017

redução




























não fui capaz de me desfazer de nada, nada mesmo, ao longo daquelas centenas de dias. tudo faz parte de mim, o que recebi, o que dei, eu, inteira. eu, centenas de dias, incontáveis palavras. 'reduza-me' pedia-lhe eu, rindo, 'simplifique-me'. mas não. em vez disso, acrescentou-me. 
os meus dedos percorrem o ecrã sem destino, e param ao acaso, numa linha qualquer. eu paro, também, sem destino. parece-me sempre tão estranho que a vida que eu vivo seja minha.













6 comentários:

  1. Redução, só se for no sentido de apurar o melhor da vida. Mas tudo lhe pertence e por isso só o acrescentar é que faz sentido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é preciso simplificar.
      boa noite, Luisa :)

      Eliminar
  2. Às vezes somos tão exigentes com nós próprios, sentimos as coisas com tal intensidade que... até parece que não merecemos aquilo que de bom nos acontece. Merecemos, e muito mais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é verdade, AC, obrigada. por vezes até se é educado para acreditar que não se merece.
      boa segunda!

      Eliminar
  3. Simplifiquemos então Ana, para que nos sintamos um acréscimo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. reduzir ao essencial para criar espaço para acrescentar o importante :)
      boa tarde, Vânia

      Eliminar