terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

negocio





























o homem pergunta-me se fiquei com o espaço. digo-lhe que não e ele passa as mãos pela cabeça em sinal de reprovação. não quero, disse-lhe, se pensar no que vai ser a minha vida se eu for por aí, não me agrada. ficaria presa a um empréstimo, a um lugar, a um trabalho, a compromissos, empregados, impostos. podia até ter sucesso, mas não é esse sucesso que eu quero. não quero. eu quero ser livre. a minha riqueza é essa, o meu vício é esse, o meu apego é esse, ser livre. ele olha para mim, encolhe os ombros, e eu ouço o que ele não diz.









10 comentários:

  1. Negócio é coisa para a qual não tenho vocação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem eu, Luísa. Sou perfeita para ser enganada...

      Eliminar
  2. adorava ter um negócio meu; pequenino, que não envolvesse muita gente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pequenininho, Laura. So eu e mais uma pessoa. E mesmo assim...

      Eliminar
  3. Respostas
    1. A liberdade é um vício que ganhei com a idade, Hury :)

      Eliminar
  4. Passo os dias a ver negócios, uns maiores, outros menores, mas em comum só mesmo ar esgotado dos donos dos negócios, uns maiores outros menores...
    Se podes, foge, já :)

    ResponderEliminar
  5. obrigada, conta corrente. fujo...

    bom dia :)

    ResponderEliminar
  6. às vezes temos vícios que nem sabemos que temos.

    ResponderEliminar