quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

encaixes






















é difícil não reparar nos passos rápidos de quem passa ao lado do mar sem olhar para ele. penso que tentam perder largura de corpos e das carnes moles, fazer duras, encaixar em tamanhos de roupas mais pequenos e justas.
eu, que ladeio o mar em passos lentos, sentindo a areia húmida ceder debaixo dos pés, tento que a minha alma encaixe no meu corpo, em vez de andar sempre nas asas das aves.













8 comentários:

  1. Que lindo texto. Adoro.
    Para reflectir.

    Felizmente eu costumo equilibrar ambas as coisas :)

    ResponderEliminar
  2. obrigada, Mary.

    eu também tento :)

    ResponderEliminar
  3. Não a prendas. A alma quer-se livre. :)

    ResponderEliminar
  4. Tenho saudades de ver o mar, nem tempo tenho tido para ir à foz :(

    (fico cansada só de ver as pessoas a correr ... viva o pneu!)


    beijinho :)

    ResponderEliminar
  5. pois quer, Luísa, mas nem tanto...o corpo sem ela...valha-me deus...:)

    ResponderEliminar
  6. e o bem que faz, vizinha?...

    (a mim, falta-me o ar...aqueles rostos vermelhos, esbaforidos, sofredores...:))

    beijinho

    ResponderEliminar
  7. a minha foge de mim como um cão desobediente :)
    bom dia maresia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então entendes-me, Hury.
      Bom dia menino ventania.

      Eliminar