terça-feira, 31 de janeiro de 2017

dulce esperança

















dizia a minha avó - se aquilo que a gente sente, cá dentro tivesse voz... - e raramente completava o poema. caminho lentamente debaixo de chuva forte, enquanto as outras pessoas se abrigam, arrepiadas. só eu sei o efeito da chuva em mim, da água que cai do céu e me faz voar sem que se veja.

depois, chego a casa e o mundo pousa-me nos ombros e amarrota-me o coração. eu respiro fundo e agradeço a vida que tenho e peço ao meu peito que não se enredemoínhe. mas nem sempre ele me ouve e transforma-se naquele buraco negro que quer engolir o universo e quer-me engolir a mim também.
então, eu procuro pontinhos de esperança aqui e ali, e lentamente inverto o processo. só que é cada vez mais lentamente, muito lentamente. a esperança é cada vez mais uma estrada de água, uma lua ausente, estrelas desenganadas. então repito para mim mesma, o bem vence sempre, o bem vence sempre, o bem vence sempre, até adormecer.

a minha avó chamava-se dulce esperança, acho que herdei a intenção do nome dela, e esta descoberta, agora mesmo, neste momento em que escrevo, faz-me sorrir e dá-me esperança, dulce.









12 comentários:

  1. oh ana, essa tua fé é inabalável. partilha um pouco comigo, sim? eu preciso de um pedaço do céu.

    ao ler-te, sabes, fico com vontade de ser um pouco mais igual a ti.

    deixo-te um beijo no coração, ana bonita. :)

    ResponderEliminar
  2. às vezes é a única coisa que nos sustenta...essa fé!


    boa tarde

    ResponderEliminar
  3. menina bonita, dizia a minha avó - se aquilo que a gente sente cá dentro tivesse voz... - não queiras ser como eu, nem penses nisso...

    beijo nas estrelas que brilham nos teus olhos

    ResponderEliminar
  4. sem duvida, criança da lua, diz o povo e com razão, a fé é que nos salva :)

    ResponderEliminar
  5. a dulce avós era muito sábia, Hury. ter-te-ia feito bem :)
    (doida que só visto)

    ResponderEliminar
  6. Há uma tira do Calvin em que ele diz,pendurado num balão, que "Nunca nada é tão mau que não possa ser pior". Quando desanimo, penso recorrentemente nestas palavras. Ainda ontem, em conversa com uma amiga e colega de trabalho, as repeti, para lhe dar alento e para ganhar também um pouco.
    Talvez nada seja por acaso (eu costumo dizer que me recuso a aceitar que a nossa vida possa estar determinada pelo destino), por isso a(re)descoberta do nome da tua avó seja o estímulo para continuares.
    Fica bem, ana. Beijo

    ResponderEliminar
  7. Deveríamos todos ter uma fé assim ana.

    ResponderEliminar
  8. acredito nisso, deep. obrigada :)
    beijo e boa quarta-feira para ti

    ResponderEliminar
  9. oh...Maria, tenho muita ajuda, muita :)
    beijo

    ResponderEliminar
  10. Com uma avó com esse nome, estás antecipadamente salva, é de certeza uma das tuas estrelas.
    ~CC~

    ResponderEliminar
  11. sim, CC, estou certa disso, de que é uma das minhas estrelas. já quanto a estar antecipadamente salva...duvido :)

    ResponderEliminar