sábado, 7 de janeiro de 2017

Careca







Com a cabeça a arrebentar de dor, escapo-me para a casa de banho, ponho um ben-u-ron na boca, abro a torneira do lavatório e vejo que a água corre castanha da torneira, quando já tenho a boca cheia. Deito-a fora e fico com o comprimido em papas na boca.
Como um saco de miolo de nozes enquanto percorro a auto-estrada e agora estou sentada num centro comercial a comer uma tosta mista. A dor começa a passar.
(Uma senhora na mesa ao lado tem um olho roxo.)

Sentes-me?

Hoje fizeram-me lembrar o que eu costumava dizer, que aceitar a nossa fragilidade permitindo que nos ajudem, é dar a oportunidade aos outros de crescerem, e de crescermos também nós. E crescer dói, estamos carecas de o saber.

Onde estás?







8 comentários:

  1. ajuda-me a desvendar o segredo da felicidade :)

    ResponderEliminar
  2. Nem penses. Vou vende-lo e ficar rica...

    ResponderEliminar
  3. ah...nunca disse que sou uma santa...jamais :)

    ResponderEliminar
  4. Crescer dói mas é um prazer:)
    Gosto muito de frutos secos!
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. quando a dor passa, Til :)

    (comi-as todas...)

    ResponderEliminar
  6. Se ainda não passou há-de passar em breve ou então é porque se continua a crescer :)

    ResponderEliminar
  7. é isso mesmo, Maria :)
    (mas cansa)

    ResponderEliminar