domingo, 9 de outubro de 2016

o corpo dela



























diz-me que cresce dentro dela uma alegria da qual desconhece os porquês. e tem medo. o seu corpo não se dá com a felicidade. colapsa. explica que é como os marinheiros que não sabem caminhar em terra, assim o seu corpo não tolera períodos de bonança. vem-lhe a taquicardia, as tonturas, os apitos nos ouvidos cada vez mais alto, dores no estômago, o sono aos soluços. ela fala com o corpo em voz baixa, tenta conciliá-lo com o passado, pede-lhe que se permita sentir de outra forma, mas ele traz memórias sem nome, traz defesas sem aviso.











6 comentários:

  1. Este parece o meu retrato, ana. :)

    ResponderEliminar
  2. então tens que agendar negociações contigo própria :)

    ResponderEliminar
  3. Alma e corpo em desalinho. Oxalá se conciliem. Beijinho Ana

    ResponderEliminar
  4. Que após a tempestade surja a bonança.

    ResponderEliminar
  5. Pois, Maria, parecem o cão e o gato :)
    beijinho!

    ResponderEliminar
  6. na verdade, o problema aqui é a bonança, Eros :)

    ResponderEliminar