quarta-feira, 3 de agosto de 2016

muffins






























sussurro-te ao ouvido. 
de que outra maneira poderia sussurrar senão ao teu ouvido...e roço os meus lábios nele enquanto articulo as palavras. 
poucas. 
que nós somos de palavras poucas. 
- esta é a minha hora. a hora do sossego. do silêncio, cortado por um sino numa igreja qualquer, longínqua, que resolveu anunciar as vinte e uma horas, pelo marulhar do vento nas folhas das árvores, e eu nunca saberei descrever este som que me acalma e me abriga, e as andorinhas que lá longe anunciam que recolhem aos ninhos.
também eu recolherei em breve ao meu, onde estou contigo, sem ti.
sobram tantas palavras quando tu não estás. 
e muffins.














5 comentários:

  1. ana, tenho uma coisa estranha, não gosto de muffins.... mesmo se eu estivesse aí a tentar descrever esse marulhar (que consigo ouvir pelas tuas palavras) sobravam os muffins :-)

    (uma vez, num avião, o muffin era grátis com o café e eu disse não ao muffin e tanto insistiram comigo que era grátis e grááááátis que eu aceitei o muffin para que se calassem com aquilo... mas não o comi)
    blharg
    :-)

    ResponderEliminar
  2. também acho, Manuel, acabados de sair do forno...

    ResponderEliminar
  3. ah, susana, um muffin tem que ser feito com intenção...:)
    (ingrediente principal de feiticeiras)

    beijo com muito nevoeiro por cá para chatear os veraneantes...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tenho a certeza que iria gostar dos teus muffins.
      (Espero que isso levante)
      :-)

      Eliminar