quarta-feira, 16 de março de 2016

quero-te














quero-te de um querer lento e vagaroso que se descobre da mesma forma com que a primavera mostra as folhas nos ramos despidos das árvores.
quero-te de um querer das ondas quando cobrem a areia.
quero-te de um querer de vento norte.
quero-te de um querer de querer querer.












12 comentários:

  1. vento do norte é frio, arrepia, queres tu arrepios? :))

    Beijinhos ana

    ResponderEliminar
  2. Gosto da direcção:)
    Dorme bem vizinha
    Beijo*

    ResponderEliminar
  3. é um belíssimo querer, esse teu querer...

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Crio-te, querendo-te.
      Bom dia, Teresa.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  5. que bela ondulação a destes comentários, ana

    um dia criativo :)

    ResponderEliminar
  6. "Não sei um dia mas alguma coisa me doía
    Ou talvez não doesse mas havia fosse o que fosse
    Era isso sentia a grande falta de uma árvore."

    Ruy Belo

    Muito bonitas, essas tuas pétalas de querer.

    Um beijinho Ana(mar) :)

    ResponderEliminar
  7. obrigada, Miss...são pétalas, sim...

    beijinho*

    ResponderEliminar