quarta-feira, 29 de novembro de 2017

sem pulgas atrás das orelhas







ouço dizer sobre mim, numa conversa ao telefone
- ela não se importa, mas se puder não falar, prefere
é verdade. a maior parte das vezes prefiro ouvir. mas enquanto me encaminho para a padaria, adivinho o sorriso franco de dona cristina quando me vir entrar. ela sorri com a face toda, com a pele, com os olhos, com os lábios. e fala com alegria, se está alegre e com tristeza se estiver triste, com preocupação, se estiver preocupada. além disso, ela brilha. brilha daquela transparência de se ser verdadeiro. quando ali vou, sei que o que vejo e o que sinto, é o que ela é por dentro.
enquanto ouço o 'mas se puder não falar, prefere', eu penso que prefiro poder falar e ouvir sem rasteiras, sem pé atrás, sem pulgas atrás das orelhas.










2 comentários:

  1. portanto, se bem percebo, é mais de fora para dentro do que de dentro para fora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. claro. se do lado de fora estiver o lado de dentro.

      Eliminar