quinta-feira, 2 de novembro de 2017

o rato











eu não ia, mas é a lua que me chama quando vou deitar o lixo no ecoponto. plásticos para a direita, cartões no meio, vidros, não há para a esquerda. lá em cima, a lua quase cheia, o céu transparente de negro, a toda a volta, o ar manso da noite. mais à frente, o rio mais parece um manto de óleo negro ondulante e eu faço o caminho do costume, o caminho sombrio e deserto de gentes pelo piso irregular que ladeia a corrente e os barcos que passam para recolher as redes. no mesmo lugar de ontem, está outra vez o rato. e assim como ontem, vai um passo, dos meus, à minha frente, naquele trotear de rato, como se me quisesse indicar o caminho para um qualquer buraco que eu não vejo, mas que ele conhece, tal como alice no país das maravilhas. um dia destes mergulho com ele. olhai o que vos digo.











14 comentários:

  1. Respostas
    1. Quando tornar a vê-lo , seguirei.
      Pensava que era para seguir o gato ...

      Eliminar
    2. o gato é invisível, como se segue o invisível? :)

      Eliminar
    3. é-me incomparavelmente mais fácil seguir o invisível

      Eliminar
  2. A Alice não seguiu o coelho? Espere por um Ana...atrás de ratos eu não ia.
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. no entanto, em outras práticas espirituais, o rato trata em nós a atenção e a introspecção. Os ratos trabalham uma grande energia de metodologia. aconselham a evocar o rato para tomar consciência das coisas subtis da vida. aprender a apreciar as coisas simples e pequenas. se auto preservar e observar os detalhes.
      talvez não me apareça no caminho por acaso.
      como está, CC?

      Eliminar
  3. acho os ratos simpáticos. tenho pena que toda a gente fuja deles a sete pés.
    eu iria.

    ResponderEliminar
  4. Rato, não significa momento em espanhol? Toca a seguir o momento :))))))

    ResponderEliminar
  5. Pode ser que seja todas essas coisas maravilhosas mas para mim são sinónimo de miséria, de pobreza, talvez pelas circunstâncias da vida em que já os vi. Em determinados locais deste planeta as mães, cujos filhos dormem no chão, têm receio de que eles venham roer as orelhas às crianças durante a noite. Ratos e baratas não, para sempre na minha memória animais pequenos que assustam mais que muitos grandes.
    Como estou: normalmente bem, de outras vem aquele medo de dentro, aquela angústia, agora o receio mais concreto da próxima intervenção cirúrgica para correcção do esófago (cresceu tecido a mais).
    Beijinho
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, há vivências que é como se nos ficassem tatuadas na memória e cada vez que as recordamos, damos-lhes vida outra vez. uma vez disseram-me para não lhes dar vida. que a cada memória má, lhes sobrepusesse uma boa, que isso tornaria melhor a minha vida e amaciaria a dos envolvidos na recordação. assim como se fossemos todos energia e de alguma forma estivessemos todos ligados.
      sabe que eu tenho tendência para acreditar nas coisas boas. por preguiça, talvez, ou defesa, sei lá.
      admiro tanto a sua coragem, CC. obrigada por expô-la.
      vai correr tudo bem :)
      beijinho

      Eliminar