terça-feira, 18 de julho de 2017

oitocentos e quarenta e cinco dias











foi precisamente no dia em que lhe disse
não deixes que te levem as palavras
que eu fiquei sem as minhas. não digo que 'o' mas tenha levado. seria muita presunção da minha parte pensar que lhe serviriam para alguma coisa, palavras simples e textos naifs que falam de sentidos e de mar e de vento e de pardais e de invisíveis e de árvores que falam e de olhos que entregam paisagens nos olhos de outro.
não, ele não me levou as palavras. perdi-as.
andei oitocentos e quarenta e cinco dias com o peito aberto, e as palavras que lhe dizia tinha-as trazido, até ali, fechadas a sete chaves junto com o coração. eram preciosas, para mim, que nunca fui de grandes conversas, e era criticada, até, por falar de menos. 
mas de tanto abrir o coração, elas foram caindo, escapando, corriam para ele. eu não tinha mão nelas, descaradas, despiam-se, enfiavam-se na cama com ele, brincavam com ele, aprendiam com ele. mas ele não as apanhou, não as quis, estava habituado a outra linguagem, mais cuidada, mais erudita, mais recatada, mais melodiosa. 
dele, entraram muitas palavras no meu peito, mas não posso usá-las, não, elas provocam arrepios na pele e os poros ficam todos em alvoroço. prefiro nem sequer balbuciá-las, deixarei que se esqueçam, que me esqueçam.
e foi assim. se hoje escrevo, é na esperança de que elas voltem, as palavras, claro. quem sabe, pode ser que saltem para aqui, lá dos lugares onde ficaram caídas, voltem, exaustas, desencantadas, e descansem, outra vez, dentro do meu peito, que eu prometo cuidar melhor delas.

sim é verdade, foi no dia em que disse
não deixes que te levem as palavras
que fiquei sem as minhas.
ele lá de cima, não perde uma oportunidade de brincar comigo.












6 comentários:

  1. Oh mas ainda estão aqui!
    (contudo sei do que fala, já o senti algumas vezes, é uma espécie de vazio que tudo leva, até ou sobretudo as palavras).
    ~CC~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. estão em tentativa de reanimação, CC :)
      bom dia!

      Eliminar
  2. Sempre chegamos onde nos esperam.
    El@ tem um sentido de humor refinado!

    ResponderEliminar
  3. Ana, estão todinhas ali acima.
    há dias em que fico pequenina quando te leio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. pequenina fico eu quando te leio.
      fiquemos então, as duas. brinquemos à macaca e ao elástico :)
      beijo, Laura

      Eliminar