quarta-feira, 18 de maio de 2016

azul
















inundo os olhos deste azul tão teu, e o vento norte anuncia-se, dentro do meu corpo. 
o sol já faz com que as algas larguem no ar o cheiro a maresia, e a taça com beijinhos do mar, que tenho aqui, neste lugar onde escrevo, ganha vida.
é tudo que tenho, o azul do mar, o aroma das algas, o vento norte, uma melra apaixonada, uma pardala manca, todos os quereres da terra, o encanto pela magia daquilo que está além do que se vê e uma alma eremita.
















6 comentários:

  1. e tens as tuas palavras, Ana, sempre.
    e que belas que elas são!

    ResponderEliminar
  2. é verdade, Laura. tenho as palavras.
    obrigada! beijo

    ResponderEliminar
  3. fica aqui a olhar para mim...pode ser, não achas?

    ResponderEliminar
  4. tadinha, mesmo...sem direito a bengala... :P

    ResponderEliminar