terça-feira, 12 de junho de 2018

ordem nos dias





foi quando se esqueceu da magia dos milagres, que a sua vida bateu no fundo. o que até aí era possível, deixou de o ser. a matemática e a lógica ganharam terreno e o frio metálico reinou. a ordem foi restaurada, o riso infantil adulterou-se, o sonho deu lugar a vagas no agendamento dos dias. a justiça foi feita, o ser cedeu perante a proporção entre o ter e o haver. a paixão foi substituída por uma lista de requisitos a serem preenchidos.
reinou a calma e o calculo passou a ser exacto.







8 comentários:

  1. Poderia ter escrito isso...mas mesmo! Assenta em mim como uma luva nos dias de hoje!

    boa tarde Ana.

    ResponderEliminar
  2. quando a calma reina, nã há cabeças cortadas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem quer calma? Mar morto...

      Eliminar
    2. mesmo os furacões têm um núcleo calmo...

      Eliminar
    3. devo ter sido engolida pelo núcleo do furacão

      Eliminar
  3. Reina a calmaria portanto. Também queria... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A calma não serve a ninguém. venha a intensidade... :)

      Eliminar